quinta-feira, 14 de março de 2019

Os filhos são como pombos mensageiros...

... que o Senhor mandou do céu para nos falar do Seu amor



Para quebrar um pouco o ritmo das ultimas publicações, hoje apeteceu-me tombar para o sentimento e com um filho que fez 22 anos há dois meses e a filha que fará 30 dentro de dois dias, decidi partilhar esta musica lindíssima e abaixo traduzi a letra e adaptei à minha realidade.


Tenho duas desculpas em minha mente
Para marcar o meu dia
E a minha casa regressar.
São um par de mágicos anjos
Com pijamas e tropelias
Que sorriem a brincar.
Já se deram conta que sou débil
E com apenas um sorriso
vão tudo conseguir
Tornaram-se donos do meu coração
E alegram-me a existência
Só de neles pensar.
Entre escolas e tarefas
vão crescendo muito depressa
Ai, ai, ai
Gostaria de os travar.
Mas um dia sairão de casa
E entre as suas coisas levarão
um pedaço da minha vida que jamais regressará
Entretanto quero dar-lhes
tantas coisas.
Quero dar-lhes tanto amor tanta atenção
E ensinar-lhes cada dia sua importância, seu valor
Quero cuidar-lhes
do coração
São como um jardim na primavera,
que se veste cada dia
de beleza e esplendor,
São como pombos mensageiros
que o Senhor mandou do céu
para me falar do seu amor.
Entre escolas e tarefas
vão crescendo muito depressa
Ai, ai, ai
Gostaria de os travar.
Mas um dia sairão de casa
E entre as suas coisas levarão
um pedaço da minha vida que jamais regressará
Entretanto quero dar-lhes
tantas coisas.
Quero dar-lhes tanto amor tanta atenção
E ensinar-lhes cada dia sua importância, seu valor
Quero cuidar-lhes
do coração
Ai, ai, ai
Gostaria de os travar


quarta-feira, 13 de março de 2019

Restauro de livro #6

Surgiu mais um paciente a precisar de reforma.
Desta vez, a dona deu-ma para restaurar e para ficar.
Tenho uma pequena coleção de biblias, não tinha nenhuma restaurada por mim com capa de tecido.

Era assim

Ficou assim

O dono, na altura, na tentativa de manter a capa da bíblia inteira, resolveu forrar as extremidades com fita adesiva negra, até ao interior.

Desmontei a capa e na lombada eram visiveis residuos de cola de contato seca, usada para colar as capas de couro ou imitação de couro.
Com muita pena minha tive que abdicar das páginas iniciais, que estavam rascadas e manchadas, onde se apresentava uma pequena biografia de João Ferreira de Almeida - tradutor da bíblia para Português e uma reflexão sobre as razões para se ler a bíblia.
 Fiquei com a foto para a posteridade.




Sem capa, todas as folhas (mais ou menos) intactas, à exceção de manchas do tempo e sem uma única folha com orelhas (cantos dobrados).
Mantive as fitas de cabeceado originais e coloquei nova fita marcador, porque a que trazia era uma mistura de duas diferentes. Suponho que a original se partira e alguém acrescentou outra.
Reforcei a lombada colando gaze.


Já que era para mim, coloquei um papel de guarda à minha vontade, para combinar com a capa e aligeirar o conjunto.



Foi das primeiras edições a incluir uma Concordância Bíblica - um índice para determinadas palavras com os livros e capítulos/versículos da bíblia onde as encontrar.


Para terminar, informo que não é de capa rígida, mas não é tão mole como a anterior. 
Usei EVA estampada mais rija e cartão fino, para a capa, para conseguir um ponto intermédio.






quinta-feira, 28 de fevereiro de 2019

Restauro de livro #5

Alguma vez tinha que calhar, restaurar uma bíblia de capa mole.

Era assim

Ficou assim
Sem a etiqueta que foi apenas para a foto.

Esta bíblia era de capa mole e decidi que a ia manter mole. Além de tudo, quando me chegou às mãos parecia que era apenas a lombada descolada e os vincos entre capa e lombada que estavam a abrir.
Por tanto, seria colar a lombada, depois de reforçar.
Mas não foi. Quando descolei a contracapa, para forrar apenas a lombada, com uma tela que conjugaria de alguma maneira com a capa, dei conta que a própria capa estava em mau estado.
Ok. Fazer uma capa nova era o próximo passo, mas tinha que ser mole.
Testei, forrando a própria capa com película adesiva.
Ficou básico, horrível e muito pouco profissional.
Pus de lado e fiz novo teste.

Era menina para ter deixado esta capa que ficou muito gira, pois esta tela EVA estampada é mais resistente que a outra, mas não é resistente o suficiente e achei que mesmo com o papel guarda colado, ia ficar demasiado mole, pois a bíblia é bastante pesada. Para reforçar a tela EVA, iria ficar a ver-se o reforço e acabaria por ficar estranho. 
Não desisti da EVA, de todo, mas usei da mais fina, reforcei com cartão mais fino que o habitual, para ficar maleável e forrei com um tecido já conhecido.
Ficou maleável, e com a lombada redonda, tal como eu pretendia.



Acabei por manter as fitas de marcação originais, pois iria aproveitar a capa original o que não aconteceu e usei um papel guarda estampado da cor da fita das extremidades

E agora só me falta decidir se a deixo assim


Ou assim

Nota: Com o teste da tela EVA decidi que vou fazer uma capa reversível para a minha própria bíblia.
A minha bíblia de estudo, tem uma capa mole que está a desfazer-se na superfície, como se o material estivesse a descamar, mas gosto tanto dela (embora não seja das mais bonitas) que não tenho coragem de a tirar, nem quero fazer uma capa de tecido. Vou fazer uma da EVA e já está.





terça-feira, 26 de fevereiro de 2019

Restauro de livro #4

Afinal seguimos com os trabalhos de restauro de livros.
Desta vez, um livro de família que durava em casa dos meus pais há quase 60 anos.

Foi um prémio por alcançar determinado numero de vendas desse mesmo livro e com o uso foi-se deteriorando, até ficar assim, sem a capa e com a lombada descolada.


Ficou assim


Não tive como conseguir uma capa original (primeiro porque a original já não existia e segundo porque a atual é de edição estrangeira). Então, como programas de desenhos e fotos e tal, não são o meu forte dediquei-me as colagens e criei uma capa, com a imagem de uma das capas atuais que existem na net e outras adequadas que por lá encontrei. Medi, juntei e colei as imagens, unindo-as em papel transparente adesivo.

Desta vez, colado na devida altura e sem bolhas ou vincos desagradáveis.
Só me falhou um pouco à direita da capa, mas foi o que se conseguiu para manter a capa total.

A primeira página, onde consta a dedicatória estava rasgada na extremidade e refiz com fita adesiva para restauro.


Ainda pensei usar a lombada original, ou o que resta dela, mas acabava por não ter imagem suficiente, já que estava limitada ao tamanho da imagem da capa e esqueci-a.


Entre as três imagens escolhidas, acho que consegui um resultado final adequado, embora não ótimo.






quarta-feira, 20 de fevereiro de 2019

Restauro de livro #3

Provavelmente não irei restaurar mais nenhum livro, num curto espaço de tempo, mas para já tinha que publicar o último.
Estava assim e sem capa


E deveria ter ficado assim

Mas como tudo o que é manual e feito por leigos, às vezes dá barraca.
Embora esteja quase assim, não vai ser o final e passo a explicar.
Este livro foi ter lá a casa, por oferta, na mesma altura em que foi o meu cão mai'novo, para lá viver.
Que atualmente é o maior. 
E ele achou que estando à "mão de semear" o livro era para roer e eventualmente comer alguma parte.
A capa ficou sem qualquer remédio e foi para o lixo e as folhas guardaram-se.
Andei a estudar a possibilidade de conseguir uma cópia da capa, ou na pior das hipóteses sacar uma imagem da net e improvisar.
Passaram-se quatro anos e finalmente decidi retomar o assunto.
Por gentileza da Publicadora, consegui cópia da capa e mandei imprimir.
Testei com acetato se estava bem, já que dimensões para impressão e corte originais não me dizem nada e cortei o cartão para a capa e colei.


E tudo corria bem. A cópia tinha sido impressa em papel com brilho de certa espessura o que me deixou aliviada, porque de outra forma, teria que imprimir em papel normal e forrar a película transparente para revestir e dar brilho.
Foi alivio de pouca dura, porque depois de colada e colocada no feitio adequado, estalou.




Tinha duas opções: imprimir nova ou revestir com a película. 
Convém saber que nunca me dei bem com películas adesivas. Não somos compatíveis e sempre que forrava livros escolares, havia aquelas bolhas de ar e aqueles vincos que teimavam em não sair.
Se tivesse forrado antes de ter a capa montada no cartão, a coisa talvez tivesse corrido melhor, nesta altura já não correu bem e ficou assim
 Com bolhas e vincos horríveis que não vão sair de forma nenhuma.


Pus a capa de lado quase em desespero e dediquei-me ao miolo.


Com fita adesiva de reparação, restaurei as folhas rasgadas o melhor que consegui e colei cerca de dez folhas, uma a uma, de volta na lombada do livro. 
Inclui o papel de guarda e "montei" na capa para ver o que seria o resultado final, tão pretendido.


Um dia destes, quando o desconsolo me tiver passado, vou mandar imprimir nova capa.
Com outro tipo de impressão, ou com outro tipo de papel e refazer a capa, mas para já ficam com uma ideia de como o livro estava e como deveria ter ficado.