quarta-feira, 19 de abril de 2017

Mantas ou algo semelhante

Ainda no aproveitamento das mini férias, terminei de vez os os trabalhos que decidi fazer para acabar com os restos de tecido que estavam a incomodar-me, conforme me queixei aqui há uns meses atrás.
Faltava terminar as duas mantas que já tinha iniciado.
Tentei juntar as cores e texturas mais aproximadas para não ficar mau de todo.
E não, os quadrados não são todos do mesmo tamanho e alguns nem quadrados são.
Aviso já que não passei nada a ferro para as fotos e pronto. Aí estão as duas mini mantas terminadas.




Para a base usei dracalon já forrado de um dos lados, o que facilita muito o trabalho, se não quisermos nada especial












Cozi à mão (ainda não mandei arranjar a máquina querida Lete), frente com frente, virei pela abertura que deixei e depois passei um ponto simples em toda a volta para manter a pose.

Neste momento, não tenho trabalhos à espera de terminar.
Tenho dois tecidos à espera de serem transformados em toalhas e/ou caminhos de mesa - ainda não decidi.
E continuo com uma gaveta cheia de restos...

terça-feira, 18 de abril de 2017

Vestir a cozinha de lavado

Aproveitar mini férias ou fins de semana alargados, que os normais são curtos demais, para terminar obras ou fazer novas.

Já há algum tempo que andava para fazer fronhas novas para as almofadas da cozinha. Já tinha o tecido há uns largos meses e com a chegada dos dias mais bonitos, precisava de mudar as fronhas antigas em cores mais outonais.
Usei o modelo de envelope que para mim é dos mais rápidos e fáceis de fazer. E fiz quatro, que o tecido não dava para mais. 

Com as sobras do tecido, quase nada, resolvi fazer acessórios para condizer. Uma pega e um pano para tapar a loiça, quando não a enxugo para arrumar.








Agora só falta trocar os cortinados.  Depois darei noticias.

sexta-feira, 3 de março de 2017

Artigos de costura em frascos de vidro

Na falta de tempo para terminar alguns trabalhos ou até começar outros, dedico-me a tarefas rápidas, tais como arrumar artigos de costura - tesouras, alfinetes e agulhas, dedais e linhas, etc.

Inicialmente tinha tudo numa caixa de costura em formato de cesto, forrada a tecido que me acompanhou durante quase trinta anos, até que precisou reforma - ou melhor, enterro, porque foi direta para o lixo.
Resolvi colocar tudo numa caixa de cartão (a branca com desenhos a preto que se vê nas fotos), separado por caixinhas e frasquinhos, mas não era prático. A caixa era muito grande para transportar quando ia fazer algum trabalho rápido e resolvi que tinha que arrumar de outra forma.

Comecei pelas linhas. Tirando a linha de alinhavar, todas as outras meti dentro de dois frascos de vidro (esclareço já que este tipo de frasco, é o meu preferido, para tudo).


Couberam todas as linhas em um só frasco. Mas eu até tinha dois...


Separei, não por cores que não resultava, mas por tipo de carrinhos.

E, embora tenha que fazer uma escolha pois há um que já está quase vazio e enrolar algumas linhas que na divisão se desenrolaram, ficou muito bem.

Agora só falta, tudo o resto...


quarta-feira, 22 de fevereiro de 2017

Manta (mini) de crochet II

Era uma vez quatro quadrados que já de si resultaram de uns restos de uma outra manta.
Unidos não serviram para nada e ficaram na gaveta à espera.

Com a vontade de gastar restos, as lãs (poucas) não se safaram e servir para ir rodeando os ditos.

Algumas chegaram para duas voltas, outras para quatro, outras apenas para uma



E outras nem chegaram para completar uma volta. Mas era a final e não havia mais. Pode ver-se no canto a lâ azul a terminar abruptamente na castanha.

Cada lado tem o seu conjunto de cores para as voltas finais.
E no final, fiquei com uma mini manta de crochet e sem restos de lãs.


terça-feira, 14 de fevereiro de 2017

Manta (mini) de crochet

Tenho andado um bocado parada no que respeita a artesanato e afins, porque houve algumas alterações no meu dia a dia e o tempo de lazer encurtou sobremaneira, durante a semana.
Mas não quero com isso dizer que não faço nada. Faço, mas pouco de cada vez o que lhe transmite uma demora acentuada.

Com a saga dos restos, as lãs também não se livraram e não ficaram a mofar na gaveta. Embora em muito menos quantidade do que os tecidos, decidi que as ia usar todas e fazer uma manta de crochet, para qualquer fim, nem que seja para dar conforto ao cão mais pequeno.

Deixo-vos um lamiré da coisa e quando estiver terminada vão sair mais fotos.



Também quero deixar duas fotos do sitio onde estou a trabalhar e que antes me passava ao lado.




Trabalho no alto daquela escadaria que nunca usava e que agora por via das circunstâncias uso todos os dias - para subir!!
Faz-me lembrar uma mini muralha da china...
Posso sempre ir à volta, descer duas paragens mais à frente e fazer a coisa a direito, mas ganho 10mn indo por aqui. E para quem sai de casa às 6h30 e faz 2 horas de transporte, quanto mais depressa chegar, melhor!
Pronto já me lamentei, mas aproveito para uma boa nota: 6ª feiras às 15h estou na rua.


segunda-feira, 16 de janeiro de 2017

Prendas de fim de ano

Achei bem que a primeira publicação do ano de 2017 (embora com duas semanas de atraso), seja a de duas prendas que recebi, fruto desta coisa dos blogues e afins.

Não costumo, mas como tinha algumas coisas extras feitas e achei que gostaria de as partilhar com alguém, inscrevi-me numa troca de Natal.
Após a inscrição soube quem era a "vitima" a quem deveria enviar a minha prenda, mas não soube quem me enviaria para mim.
Aqui há uns anos fiz a primeira troca, mas era diferente. Eu tinha que enviar prenda à pessoa que me enviaria a mim.

Enviei uma galinha de tecido que pode servir de alfineteiro ou apenas de decoração - a pessoa que a recebeu diz que a tem a enfeitar na cozinha, umas bases de copos em crochet, um porta chá em feitio de homenzinho, um lápis enfeitado com uma tulipa de tecido e uma agenda.

Recebi um sabonete artesanal que cheira maravilhosamente e um porta moedas de crochet que é a coisa mais linda! Tem uma cor linda, perfeito que só visto e com uma coisa que adoro nos porta moedas - uma abertura que nos permite alcançar o seu conteúdo sem nenhuma dificuldade. Tenho andado a usar.

Nem só de trocas se vive e resolvi participar num sorteio, resultado de aniversário do blogue L'avion rose
Não costumo ter muita sorte, nestas coisas, mas gosto sempre de participar, pois nunca se sabe,
E não é que fui uma das duas sortudas?!






Ganhei este caminho de mesa, centro de mesa, o que lhe quiserem chamar que qualquer nome lhe serve. Se acham que é lindo nas fotos, imaginem ao vivo!! Puro deleite! E a etiqueta em tecido é uma fofura! Claro que mal tirei as decorações de natal, passou a decorar a minha mesa da cozinha (única mesa que tenho, não contando com a de centro da sala). E cada vez que entramos em casa, damos de caras com esta beleza, já que a porta da cozinha está sempre aberta e e fica de frente para a porta da rua. 
Existe lá melhor comité de boas vindas?!

Para terminar o historial das prendas, embora não tenha sido bem uma prenda, foi uma aquisição. Consegui um livro que já li há anos (e quando digo anos, são anos mesmo!).
Adeus, Quinze Anos de Claude Campagne.
Li este livro, teria uns dezasseis ou dezassete anos. Era emprestado. Um ou dois anos depois, quis voltar a ler e não tive como o obter da pessoa original. Comprei num alfarrabista, algures em Lisboa. Por minha vez, emprestei-o e nunca mais lhe pus a vista em cima. De vez em quando, lembrava-me do dito e desta vez, como tenho uma sobrinha que fez dezasseis anos, quis oferecer-lhe este livro. Procurei e consegui de novo. Uma vez que o livro veio já o aniversário já tinha passado há dois meses, vou reler primeiro e logo o oferecerei.




terça-feira, 20 de dezembro de 2016

Porque é Natal...

... e irei ter dificuldade em apresentar-me aqui, por estes dias, já que os da semana passada também foram difíceis, só quero deixar votos de boas festas, a quem teve a pachorra de me visitar e até de comentar, neste ano.



Hoje vos nasceu o Salvador.
Tenham um Feliz e Abençoado Natal.

Descanso de maratona


Há umas semanas atrás iniciei uma maratona de episódios, cuja série se intitulava algo como "despachar excesso de tecidos"
Fiz aventais e fiz bolsas, fiz fronhas de almofada, e já estava tão farta dos mesmos tecidos que decid não fazer mais nada especialmente com este ou com aquele.
Usei a opinião da Lete do Bordalinhas que me disse para juntar cores ou texturas e avancei com a minha ideia inicial. Cortei quadrados de 20x20cm (não garanto que estejam todos iguais) e uni-os para formar duas pequenas mantas.

Uma delas tem todos os tecidos que havia (texturas semelhantes) de tons terra (bejes, tijolo e castanhos, lisos e estampados) e outra de azuis (turquesa, claros, escuros de estampados diversos).

Levarão manta acrílica no interior e um tecido liso na parte de trás (tenho em casa, claro). Depois, com alguma paciência serão pespontados para unir as três camadas.
Ainda estou na dúvida se contorno com fita ou se aproveito o tecido de trás e dobro sobre as bainhas.



Por enquanto aguardam a passagem da época, e no inicio do ano, lá voltarei. 
Descansam dobradas em cima da bancada onde guardo as tralhas.


Prendas de natal em série

Lá vai mais uma série de prendas. Acontecem de vez em quando e desta vez por ser natal achei que personalizadas iam melhor.

Há tempos decidi que quando quisesse dar uma prendinha às pessoas em questão, seria um algo a ver com livros. Pensei primeiro em capas de tecido para livros, mas a falta de tempo e materiais interessantes (já que queria acabar com os excessos antes de comprar mais) obrigaram-me a coisa menos exigente e achei que um marca páginas era uma boa ideia.

Quando vi os marca páginas que a Val nos apresentou no seu blogue  L'Avion Rose (aconselho muito que vão visitar), decidi que ia copiar a ideia e fazer uns personalizados.
Os meus não têm nada a ver com os da Val - só a ideia mesmo.

Aproveitei tecidos que havia por casa, daí dois serem repetidos.





E achei melhor fazer um em feltro, com aplicações em feltro. Duvido que a pessoa em questão gostasse de rendas e bordados.

Para a parte de trás usei o mesmo tecido para todos (à exceção do de feltro) e apliquei um elástico. Desta forma, marcam a página e podem ficar presos no livro, sem cair.



E ainda podem ser porta canetas! 
Aliás, era a ideia original de há uns três meses atrás. Fazer porta canetas em eva, aplicar o elástico, mas quando vi os tais marca páginas...





Tudo cosido à mão (ainda!) é o melhor que se consegue... ou talvez se consiga melhor, mas eu não consegui.
Espero que os "agraciados" gostem. Eu gostei muito e acho que um dia destes faço um para mim, já que como o ditado diz: em casa de ferreiro, espeto de pau, raramente tenho alguma das coisas que faço para os outros.